#main-nav ul li.menu-item-home a , #main-nav ul li.menu-item-home.current-menu-item a{ background-image: none !important; text-indent: 0; }
HOME » DE DENTRO PRA FORA » Diminuindo as exigências – A porta do lado

Diminuindo as exigências – A porta do lado

duas-portas

 

“  Em entrevista dada pelo médico Drauzio Varella, disse ele que a

gente tem um nível de exigência absurdo em relação à vida, que queremos

que absolutamente tudo dê certo, e que, às vezes, por aborrecimentos 

mínimos, somos capazes de passar um dia inteiro de cara amarrada.

 

E aí ele deu um exemplo trivial, que acontece todo dia na vida da gente…

 

É quando um vizinho estaciona o carro muito encostado ao seu na

garagem (ou pode ser na vaga do estacionamento do shopping). Em vez de

simplesmente entrar pela outra porta, sair com o carro e tratar da sua

vida, você bufa, pragueja, esperneia e estraga o que resta do seu dia.

 

Eu acho que esta história de dois carros alinhados, impedindo a

abertura da porta do motorista, é um bom exemplo do que torna a vida de

algumas pessoas melhor, e de outras, pior.

 

Tem gente que tem a vida muito parecida com a de seus amigos,

mas não entende por que eles parecem ser tão mais felizes.

 

Será que nada dá errado pra eles? Dá aos montes. Só que, para

eles, entrar pela porta do lado, uma vez ou outra, não faz a menor

diferença.

 

O que não falta neste mundo é gente que se acha o último

biscoito do pacote. Que “audácia” contrariá-los! São aqueles que nunca

ouviram falar em saídas de emergência: fincam o pé, compram briga

e não deixam barato.

 

Alguém aí falou em complexo de perseguição? Justamente.

O mundo versus eles.

 

Eu entro muito pela outra porta, e às vezes saio por ela também.

É incômodo, tem um freio de mão no meio do caminho, mas é um problema

solúvel. E como esse, a maioria dos nossos problemões podem ser

resolvidos assim, rapidinho. Basta um telefonema, um e-mail, um pedido

de desculpas, um deixar barato.

 

Eu ando deixando de graça… Pra ser sincero, vinte e quatro

horas têm sido pouco prá tudo o que eu tenho que fazer, então não vou

perder ainda mais tempo ficando mal-humorado.

 

Se eu procurar, vou encontrar dezenas de situações irritantes e

gente idem; pilhas de pessoas que vão atrasar meu dia. Então eu uso a

“porta do lado” e vou tratar do que é importante de fato.

 

Eis a chave do mistério, a fórmula da felicidade, o elixir do

bom humor, a razão por que parece que tão pouca coisa na vida dos outros.

dá errado.

 

Quando os desacertos da vida ameaçarem o seu bom humor, não

estrague o seu dia… Use a porta do lado e mantenha a sua harmonia.

Lembre-se, o humor é contagiante – para o bem e para o mal – portanto,

sorria, e contagie todos ao seu redor com a sua alegria.

A “Porta do lado” pode ser uma boa entrada ou uma boa saída… Experimente!.”

 

 

Tudo começa com a exigência. Quanto mais exigentes somos, mais sofrimento para nós mesmos e aos que nos rodeiam.

 

É claro que é normal desejarmos e buscarmos fazer sempre o melhor , ser o melhor.   Desde pequenos buscamos ser educados, se comportar bem, se alimentar bem, tudo fazendo para agradar nossos pais. Daí crescemos e como adultos buscamos ser os melhores profissionais. Já na vida afetiva buscamos alguém especial, que nos ame de verdade e assim sejamos felizes.

 

O problema começa quando há um exagero nessa busca de fazer/ser o melhor. Quando a pessoa se impõe ou impõe aos outros uma exigência absurda. São aquelas pessoas de um perfeccionismo exagerado, ou aquelas que acham que estão sempre certas – e o contrário é verdadeiro – não aceitam errar e não possuem resistência à frustração. Desta maneira acabam se tornando aquele tipo de pessoa chata,  difícil  de se relacionar, porque da mesma forma que exigem exageradamente de si mesmas, também exigem dos  que estão ao seu redor.

 

O que podemos fazer para não nos tornarmos assim? Primeiramente é fazermos uma análise de nós mesmos para verificar o quanto estamos sendo exigente nas diversas situações que a vida nos coloca no dia a dia e tentar  ser um pouco menos exigente. É compreender que é impossível sermos  perfeitos e esperarmos dos outros a perfeição. Quanto mais flexíveis formos, se abrindo ao novo, mais felizes nos sentiremos. É isso aí!

 

Abraços e bom fim de semana!!

 

Elisabeth Sversut

1 comentário

  1. a vida naõ e taõ complicada mas a deixamos com nossas intolerancias e somos todos meios que intolerantes as vezes ate sem perceber mas essa leituras de hoje nos trouxe a realidade para refletir e mudar como voce disse mudar a porta ou ate mesmo o lado e assim vamos ser mais felizes ate breve

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*


Scroll To Top